Jiji tem 94 anos e, durante a sua juventude, foi treinado para combater na Segunda Guerra Mundial. Mas quando ia partir em combate, a guerra acabou e voltou para casa. Entretanto começou a trabalhar num escritório, onde permaneceu por 64 anos. Em 2009, Jiji foi hospitalizado e a sua doença apagou toda a luz da sua vida. “Tornou-se teimoso, maldisposto e infeliz”, confessa o seu neto. Para o ajudar, Akiko adoptou secretamente um gato, Kinako, e levou-o para casa. “Foi amor à primeira vista” e a amizade entre Jiji e Kinako não pára de crescer. “Eles agora são melhores amigos”, refere o fotógrafo, garantindo ainda que desde que Kinako entrou na vida do seu avô ele sorri muito mais e tem uma vida feliz. Akiko decidiu documentar esta amizade através da sua lente e as fotografias falam por si.

Leia também

Nasceu a primeira plataforma para humanos-guia de cães cegos

A ideia de cão-guia está mais do que popularizada entre nós. Os patudos tornaram-se import…