Todos os anos, entre 50 mil a 100 mil galgos são considerados inaptos para a caça ou para corridas. Muitos acabam abandonados, são afogados, espancados, mortos. “É o cão mais maltratado”, garantem os produtores do documentário Yo Galgo. Em Espanha, grupos de pessoas “incansáveis” trabalham para tentar pôr fim a este “genocídio invisível” dos cães mais rápidos do mundo, resgatando animais e denunciando maus tratos e abusos. Foi isso que aconteceu a Bacalao, uma galga “tímida, inteligente e amorosa” que virou estrela do filme e de uma conta do Instagram, onde é seguida por quase 30 mil pessoas. O objectivo é consciencializar o público sobre este tipo de raça e os abusos de que é alvo. A Bacalao juntou-se Tzatziki, irmã adoptiva, e no Instagram são partilhadas histórias e fotografias de outros galgos resgatados.

Leia também

Um lar para animais idosos repousarem no sofá (ou nos jardins)

Estão sempre livres, podem escolher entrar dentro de casa ou passear nos jardins, lá fora.…