Quando se mudaram para o Colorado, nos Estados Unidos, Cynthia Bennett e o namorado decidiram que era o momento certo para adoptar um cão. A ideia era resgatar um golden retriever cruzado que estivesse à procura de uma família na cidade de Denver, mas, um par de meses depois, em 2014, durante um evento de adopção, encontraram o Henry que tinha apenas três meses. “Pedi para vê-lo e ele caminhou imediatamente para o meu colo e foi pela barriga acima. Foi nesse momento que percebi que íamos trazê-lo para casa”, conta a norte-americana ao Pet, por e-mail.

Adeptos de aventuras ao ar livre, procuravam um cão de aventura, cheio de energia, e Henry revelou ser a companhia perfeita. Durante a primeira semana, Cynthia levou Henry na sua primeira caminhada e este começou, de imediato, a correr e a subir pelas rochas mais íngremes. Foram estes passeios que permitiram conhecer melhor o seu novo companheiro. “O Henry adora escalar as rochas e encontrar neve nas caminhadas. A neve é a ​​sua coisa favorita”, revela.

Há alguns meses, o casal decidiu acolher outro animal de estimação na família. Cynthia queria adoptar um gato e procurou em vários abrigos, durante cinco meses, até encontrar o Baloo. “Nenhum dos gatinhos anteriores tinha a personalidade certa para ser um gato de aventura, mas o Baloo era diferente”, explica. “Quando fui vê-lo, percebi que era muito brincalhão, curioso e afectuoso. Alguns minutos depois, já sabia que iria encaixar-se perfeitamente na nossa família.”

Henry e Baloo “tornaram-se instantaneamente os melhores amigos”. Uns dias depois de se conhecerem já se “aconchegavam e brincavam” e, rapidamente, começaram a “caminhar juntos”. “O Henry começou apegar-se muito ao Baloo quando começamos as nossas aventuras todos juntos. Ele fica muito feliz por ver que o Baloo também acampa e caminha connosco”, conta Cynthia. As caminhadas passaram a ser também a actividade preferida de Baloo, que “adora sair”: “Assim que toco a coleira do Henry, o Baloo vem a correr e começa a gritar comigo para lhe colocar o arnês”.

Cynthia chama-lhes irmãos, mas acredita que “Baloo pensa que o Henry é a sua mãe” e que também “é um cão”. O gato imita tudo o que Henry faz, desde “dormir no chão ou na cama do cão” até às suas “posições”. “Se arranjar doces para cães, o Baloo vai correr e sentar-se aos teus pés exactamente como o Henry”, garante.

Na conta de Instagram — que conta actualmente com quase 130.000 seguidores —, os donos partilham as peripécias do cão e do gato durante as aventuras em família. O que salta à vista na maioria das fotografias dos dois animais é a descontracção de Baloo abraçado à cabeça de Henry.

Leia também

Os animais não são prendas de Natal

Thierry Correia, Departamento Comunicação Científica da Royal Canin Portugal Ter um animal…