Chegam-nos más notícias dos lados da Indonésia, mais propriamente da ilha de Samatra: entre 2000 e 2012, o número de tigres endémicos dessa ilha desceu de 1090 para 908 (nas estimativas mais favoráveis), tendo assim ocorrido uma redução de 16,7%. Os tigres-de-samatra estão, por isso, cada vez mais ameaçados de extinção e a principal razão é a desflorestação, concluiu um estudo publicado esta terça-feira na revista científica Nature Communications. Além disso, percebeu-se que só existem dois habitats suficientemente grandes na ilha para garantir a sustentabilidade da reprodução da subespécie mais pequena de tigres do mundo.

A história dos tigres tem sido assombrada ao longo do tempo. “Globalmente, a população teve uma descida de cerca de 95% desde 1900 e os tigres ocupam menos de 7% da sua área de distribuição histórica, espalhando-se precariamente em pequenas áreas fragmentadas”, lê-se no artigo científico. Alerta-se ainda que as subespécies de tigres endémicos da ilha de Java e Bali se extinguiram no século XX. Agora, as atenções viram-se para a ilha vizinha de Samatra.

É lá que vive o tigre-de-samatra (de seu nome científico Panthera tigris sumatrae). Tem uma pelagem ocre-alaranjada, com riscas compridas e finas, e pode alcançar os 81 centímetros de altura. E, enquanto a fêmea pode pesar até 110 quilos, o macho pode chegar aos 140 quilos. Gosta de carne, é uma subespécie territorial e solitária, embora pares de macho e fêmea se possam juntar para além da reprodução. Esta subespécie pode ainda acasalar em qualquer altura do ano. “Gosta muito de água e é uma excelente nadadora”, refere o site do Jardim Zoológico de Lisboa. “Durante os dias mais quentes da época seca, passa longos períodos dentro de água.” Afinal, vive em florestas tropicais húmidas.

Contudo, a sua vida não é um paraíso. Actualmente, esta subespécie está classificada como “criticamente em perigo”, pela União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN). A principal ameaça tem sido a perda do habitat devido à expansão da produção de óleo de palma ou a caça para comércio ilegal. Mas quantos tigres-de-samatra existem mesmo?

Esta foi a pergunta que cientistas dos Estados Unidos, Singapura e Indonésia fizeram. Então, em 2014, passaram um ano a percorrer as florestas remotas e tropicais de Samatra. Lá montaram centenas de câmaras para tirarem fotografias e filmarem estes tigres. Depois, identificaram cada um deles através do seu padrão único de riscas. No final, juntaram esta informação a outras estimativas mais antigas e já publicadas e calcularam o número de tigres nas duas décadas anteriores.

Verificou-se assim que houve um decréscimo de 16,7% no número de tigres entre 2000 e 2012 ao longo de Samatra. “A nossa estimativa para toda a ilha é que existem entre 328 e 908 tigres, o que é ligeiramente maior do que a estimativa de 441 a 679 tigres relatada pela IUCN [em 2015]”, refere o artigo.

As principais causas apontadas são as plantações para óleo de palma que têm levado a uma crescente desflorestação. Os próprios cientistas descrevem este cenário, que percorreram, no artigo: “Todos os sítios estão rodeados por uma mistura de plantações pequenas e industriais para óleo de palma, borracha, arroz, café e cacau, em ordem decrescente de importância.”

Nem tudo é mau

No estudo, conclui-se ainda que a densidade de tigres é cerca de 47% mais alta nas florestas primárias (que ainda não sofreram perturbações significativas) do que nas florestas degradadas. E, entre 1990 e 2010, Samatra perdeu 37% da sua floresta primária. “Como resultado, as subpopulações de tigres também se têm tornado significativamente mais fragmentadas, aumentando muito o seu perigo de extinção como espécie em cada floresta”, lê-se num comunicado da Universidade da Califórnia, EUA. Os cientistas perceberam ainda que há só dois habitats suficientemente grandes para acolher mais de 30 fêmeas em idade fértil, que é um indicador para a sustentabilidade das populações a longo prazo.

Mas nem tudo é mau e, nas florestas protegidas, o número de tigres cresceu cerca de 4,9% por ano desde 1996. Questionado sobre o número exacto de tigres que aumentaram nesse período, Matthew Luskin, da Universidade da Califórnia e coordenador do estudo, respondeu ao PÚBLICO: “Não há um número exacto de propósito, porque isso poderia mascarar a incerteza. Por agora, estimámos as alterações quanto ao perigo de extinção baseadas na perda de habitat.” Por isso, os cálculos que fizeram alertam-nos apenas para o risco de extinção da subespécie.

Parque Nacional de Kerinci Seblat, na ilha de Samatra

“A perda do habitat-chave está a causar desafios de conservação significativos para Samatra – e, em particular, para as espécies criticamente em perigo”, afirma Matthew Luskin, citado no comunicado, acrescentando que o tigre-de-samatra está assim “um passo mais perto da extinção”. “Proteger o que resta das florestas primárias é agora absolutamente crucial para garantir que os tigres possam persistir indefinidamente em Samatra”, afirma Mathias Tobler, da organização Zoo Global de São Diego (EUA) e também autor do trabalho. “Se quisermos salvar os tigres-de-samatra na natureza, o momento para actuar é agora.”

O investigador Matthew Luskin no Parque Nacional de Kerinci Seblat

E, caso queiramos ver este tigre em Portugal, podemos visitar os seus aposentos no Jardim Zoológico de Lisboa. É num espaço chamado Vale dos Tigres que encontramos uma família de tigres-de-samatra. É constituída por Pendekar, o pai, que nasceu em 2005 e veio de Inglaterra, e por Sigli, a mãe, que nasceu em 2002 e chegou da Holanda. “Ambos se adaptaram bem e o casal já teve várias crias”, indica o Jardim Zoológico no seu site. Agora, Sigli vive com uma cria, também fêmea, e que ainda não tem nome. Estes são os representantes no país desta subespécie cada vez mais em perigo.

Leia também

Os animais não são prendas de Natal

Thierry Correia, Departamento Comunicação Científica da Royal Canin Portugal Ter um animal…