A agência Reuters foi à procura de gorilas-das-montanhas, uma subespécie de primatas ameaçada pela caça furtiva, a guerra e a perda de habitat. Na floresta de bambu do Parque Nacional de Vulcões, no noroeste do Ruanda, estima-se que, desde 2005, nasçam, em média, 18 bebés por ano da família Sabyinyo. Este parque, onde a zoóloga americana Dian Fossey desenvolveu a maior parte do seu trabalho na área de protecção dos gorilas, é uma das melhores reservas para observar estes primatas. No entanto, desde que os preços do trekking duplicaram — de 750 dólares para 1500, cerca de 1230 euros —, os hoteleiros e operadores turísticos têm registado uma quebra no número de visitantes. Normalmente são vendidas 32 entradas por dia e o tempo com os animais é restrito (cerca de uma hora), não sendo garantido algum avistamento.

O último levantamento da subespécie, criticamente ameaçada, envolveu áreas onde os espécimes transitam livremente entre fronteiras na Republica Democrática do Congo, no Uganda e no Ruanda, em 2010, e dava conta de 480 indivíduos. Um número muito baixo, mas nem tudo são más notícias: está pensada uma nova contagem para Março próximo e estima-se que este número tenha aumentado.

 

Leia também

Fogem do furacão Florence, mas não esquecem os animais

Salvaram-se pessoas, mas também animais de companhia. As equipas de resgate na Carolina do…