Cresci rodeada de cães. Os meus pais fizeram, durante vários anos, criação de uma raça chinesa chamada shar-pei em nossa casa. O meu primeiro cão de que tenho memória era uma cadela shar-Pei chamada Bolacha, que viveu comigo toda a minha infância e adolescência. Marcou-me por toda a vivência e foi a grande responsável pela minha proximidade, respeito e afeição por animais.

Agora tenho o Kruger, um leão da Rodésia de oito anos que foi um presente oferecido pelo meu marido depois de eu ter sofrido um grande desgosto com o meu cão anterior. Com os animais aprendi a ser mais responsável, mais altruísta e generosa, porque estabelecemos com eles uma relação de confiança, companhia, amor e diversão.

Acho que o melhor conselho que poderia dar a alguém que queira ter um animal é informar-se bem sobre qual é que se adequa melhor ao seu estilo de vida e disponibilidade.

Acredito que as pessoas estão realmente mais despertas para todas as questões relacionadas com os animais e que tudo isto é um trabalho de mudança de mentalidades, de modo a garantir que os interesses básicos dos animais sejam respeitados.

É importante existirem direitos para os animais, para que as pessoas tenham consciência da responsabilidade que está implícita em ter um, e que todas as vidas, humanas ou não, merecem respeito, atenção e têm direito ao bem-estar.

Carolina Patrocínio

Fotografias cedidas por Carolina Patrocínio. Depoimento construído a partir de entrevista por email.

Leia também

Deputados querem que cães corram livres num espaço do Jardim da Cerca da Graça

Um parque para os cães poderem correr livremente sem trelas ou açaimes. A petição já tinha…