Cresci rodeada de cães. Os meus pais fizeram, durante vários anos, criação de uma raça chinesa chamada shar-pei em nossa casa. O meu primeiro cão de que tenho memória era uma cadela shar-Pei chamada Bolacha, que viveu comigo toda a minha infância e adolescência. Marcou-me por toda a vivência e foi a grande responsável pela minha proximidade, respeito e afeição por animais.

Agora tenho o Kruger, um leão da Rodésia de oito anos que foi um presente oferecido pelo meu marido depois de eu ter sofrido um grande desgosto com o meu cão anterior. Com os animais aprendi a ser mais responsável, mais altruísta e generosa, porque estabelecemos com eles uma relação de confiança, companhia, amor e diversão.

Acho que o melhor conselho que poderia dar a alguém que queira ter um animal é informar-se bem sobre qual é que se adequa melhor ao seu estilo de vida e disponibilidade.

Acredito que as pessoas estão realmente mais despertas para todas as questões relacionadas com os animais e que tudo isto é um trabalho de mudança de mentalidades, de modo a garantir que os interesses básicos dos animais sejam respeitados.

É importante existirem direitos para os animais, para que as pessoas tenham consciência da responsabilidade que está implícita em ter um, e que todas as vidas, humanas ou não, merecem respeito, atenção e têm direito ao bem-estar.

Carolina Patrocínio

Fotografias cedidas por Carolina Patrocínio. Depoimento construído a partir de entrevista por email.

Leia também

Um cão desapareceu depois de um acidente de carro fatal. Três semanas depois, aqui está ele

O vídeo de reencontro (em cima) é, de si, emocionante. Mas torna-se ainda mais comovente q…