“Os animais não vão para o inferno porque já lá estão.” A frase, diz a nova Provedora dos Animais de Lisboa, é de Victor Hugo, e é tão ou mais actual hoje do que quando o escritor francês deambulava por Paris com Os Miseráveis no pensamento. “Somos nós o inferno dos animais”, lamentou Marisa Quaresma dos Reis esta segunda-feira numa sessão em que apresentou as principais linhas de acção da provedoria.

Para que o inferno animal seja menos pesado e, um dia, deixe de existir, uma das medidas anunciadas pela provedora foi a criação de uma Comissão de Acompanhamento de Animais em Risco. “Sim, é mesmo isso que estão a pensar”, disse Marisa Quaresma dos Reis, explicando que o modelo que tem em mente se assemelha muito ao modo de funcionamento das comissões de protecção de crianças e jovens.

A nova estrutura, que funcionará na dependência da provedora, terá “natureza preventiva”, para “mediar e negociar” em “situações de fronteira”, de modo a evitar que tenham de chegar a tribunal para ser resolvidas. A acumulação excessiva de animais numa casa ou ter um cão permanentemente acorrentado são exemplos dos casos que a comissão pode tratar, explicou Marisa Quaresma dos Reis. Ao PÚBLICO a provedora adiantou que a nova comissão, da qual farão parte a PSP e técnicos da câmara municipal, estará a funcionar “ainda este mês ou em Fevereiro”.

A nova provedora está a trabalhar desde Setembro, mas esta foi a sua primeira aparição pública enquanto tal. Marisa Quaresma dos Reis anunciou que “ainda no início do ano” vai apresentar à câmara uma proposta de Regulamento do Bem-Estar Animal, que está a ser preparada por uma comissão composta por pessoas de várias áreas. Disse ainda que vai propor “a criação de um programa de famílias de acolhimento temporário”, até para aliviar o fardo da Casa dos Animais de Lisboa, frequentemente sobrelotada.

A este respeito, Fernando Medina aproveitou para dizer, pouco depois, que durante este mandato a Casa dos Animais será ampliada. “Precisamos de mais para cumprir a missão”, afirmou o presidente da câmara, que ainda prometeu novas instalações à União Zoófila e a inclusão das instituições de defesa dos animais no regime de apoios municipais.

“Nós e os demais animais temos capacidades extraordinárias: a de sofrer e a de amar”, disse Marisa Quaresma dos Reis. No amor “temos muito a aprender com eles”, considerou a provedora: “Não nos é lícito desrespeitar as nossas relações de vizinhança” com os animais.

A responsável definiu a “aproximação e pacificação dos defensores da causa animal”, a “sensibilização social” e a procura de soluções inovadoras para problemas antigos como metas para o mandato. “Pode-se fazer muito mais” do que actualmente, por exemplo em matéria de adopções, disse. Mas não só. A provedora quer fazer mesas redondas e grandes debates periodicamente, para levar o tema a toda a população. Os mais novos são essenciais nesta estratégia, acrescentou. “Tenho uma grande crush pelas gerações futuras”, disse Marisa Quaresma dos Reis.

Na presença de Fernando Medina e do vice-presidente da câmara, Duarte Cordeiro, a provedora não se coibiu de criticar a autarquia. “Queremos que a câmara nos ouça e mostre carinho e respeito pelo provedor. Aguardamos há meses por uma reunião para discutir controlo de pragas”, atirou, lamentando não ter sido ouvida sobre a decisão recente de pôr falcões no centro histórico a espantar pombos.

Medina elogiou-lhe “o entusiasmo, a alegria e o empenho” demonstrados no discurso e agradeceu a crítica, ao mesmo tempo auto-elogiando o município por ter escolhido Marisa Quaresma dos Reis para o cargo. “É para ser essa voz de alerta e de consciência”, disse. O autarca afirmou que “a mudança cultural” relativamente aos direitos dos animais “é o principal desafio” de um provedor e garantiu apoio da câmara nessa missão.

Marisa Quaresma dos Reis é a terceira provedora dos animais de Lisboa, a primeira remunerada e a tempo inteiro. Assumiu o cargo em Setembro, na sequência da demissão de Inês Sousa Real, que se queixava de não ter as condições adequadas para o desempenho das funções.

Leia também

Deputados querem que cães corram livres num espaço do Jardim da Cerca da Graça

Um parque para os cães poderem correr livremente sem trelas ou açaimes. A petição já tinha…