A Organização Internacional de Polícia (Interpol) anunciou esta quarta-feira, 20 de Junho, que uma operação contra o comércio ilegal de animais selvagens permitiu apreensões no valor de milhões de dólares e a identificação de 1400 suspeitos em todo o mundo.

Em comunicado, a Interpol adianta que a operação decorreu durante todo o mês de Maio e envolveu 93 países. As 1974 apreensões incluem 43 toneladas de carne de animais selvagens, incluindo urso, elefante, crocodilo, baleia e zebra, 1,3 toneladas de marfim, 27 mil répteis, quase quatro mil aves, 48 primatas vivos, 14 grandes felinos e carcaças de sete ursos, incluindo dois polares.

Segundo o comunicado, dois comissários de bordo foram detidos em Los Angeles transportando tartarugas vivas para a Ásia na sua bagagem pessoal e as autoridades canadianas interceptaram um contentor com 18 toneladas de carne de enguia proveniente da Ásia.

Pôr colares em elefantes? Sim, para os salvar da caça

Em Espanha, foram feitas mais de quatro mil apreensões, tendo sido descoberta uma casa cheia de esculturas de marfim em Guipúzcoa (norte) e localizados mais de 3800 cactos em Almeria (sul).

De acordo com dados das Nações Unidas e da Interpol, os crimes ambientais são o quarto negócio ilegal mais lucrativo do mundo, depois do tráfico de droga, de contrafacção e de seres humanos.

Os seus lucros são calculados entre 91 mil e 258 mil milhões de dólares por ano (78.700 e 223 mil milhões de euros) e registam uma taxa de crescimento de cinco a sete por cento ao ano.

Leia também

Espinho tem uma nova política de apoio animal

A Câmara Municipal de Espinho revelou esta terça-feira novas estratégias de apoio a animai…