Joana Rita é filósofa e “dog lover”

Aviso prévio: este artigo não serve de desculpa para devoluções passadas, presentes ou futuras. É um exercício de reflexão sobre aspectos que podem estar na base da decisão de devolução e que nem sempre contemplamos. Naturalmente, pensamos “mas será que tentaram tudo?” ou “se fosse comigo isto nunca aconteceria”. Levados pela emoção, facilmente acusamos o tutor que devolve o animal que adoptou. O tempo e a experiência levou-me a encarar estas situações de outra forma, com menos emoção e mais isenção.

Era uma vez uma oportunidade perdida

“Vamos ter uma devolução.” Quando se ouvem estas palavras, no albergue, sente-se um misto de raiva e tristeza. Muitas das vezes trata-se de um animal que passou pela vida do albergue e, por isso, todos torcíamos para que corresse bem. Queríamos muito não voltar a vê-lo. Seria um bom sinal.

Os abandonos acontecem – e as devoluções também. Felizmente, são casos pontuais. No princípio das minhas andanças como voluntária na UPPA – União Para a Protecção dos Animais sentia uma grande revolta. Não conseguia imaginar como seria possível alguém devolver um animal que foi salvar ao canil ou a um albergue. Na minha cabeça, era impossível haver uma desculpa aceitável. Mas há.

Querer adoptar não chega

A vontade de ter um cão (ou um gato) não é suficiente para que uma adopção seja bem-sucedida. Imaginamos como é e até podemos ler sobre o assunto. Vemos programas de televisão. A realidade pode ser muito diferente, pelas expectativas que criamos face ao animal e ao seu comportamento. Além disso, algumas questões logísticas e de rotina podem revelar-se diferentes face ao que tínhamos em mente. Podemos vir a descobrir que, afinal, não temos perfil para ter um cão ou um gato.

A vida tem o seu quê de imprevisível

A empresa onde trabalhamos muda as instalações para outro sítio, obrigando-nos a mudar de casa. Ou até de país. Por muito que se ame o animal de estimação, o nosso companheiro, pode haver questões logísticas e até financeiras que comprometam a continuidade do animal connosco. Por vezes, o amor que sentimos pelo animal não chega para o manter perto de nós. Pode não haver família de suporte, pode não haver estabilidade financeira que permita a estadia do animal em hotel, por exemplo, ainda que temporariamente.

Sem julgar: a vida continua

Já me calhou receber animais que foram devolvidos. Com o tempo deixei de julgar, de querer saber os porquês, os comos, se tentaram isto ou aquilo. Se recorreram a treinadores, se compraram aquele ou o outro brinquedo, se experimentaram a estratégia X ou Y. A vida das pessoas é mais complexa do que parece. Não faço perguntas: recebo o cão e preocupo-me em fazer com que não perca a fé na humanidade. Estamos lá, no albergue, para isso. Sempre que for necessário.

Para sempre?

Os cães cá de casa, o Félix, o Friqui e o Kioko, são parte da nossa família. A sua vida faz parte da nossa. Criámos rotinas, adaptámo-nos à sua presença. Queremos que a adopção seja feliz, responsável e, como diz a música, “para a vida toda”. Tudo faremos para que seja possível vê-los envelhecer, junto a nós. Não temos a certeza se isso é possível, pois o dia de amanhã é um mistério. Para nós e para muitas famílias adoptantes.

Não podemos salvar todos

Leia também

A fotógrafa que leva cães abandonados a passear para lhes arranjar casa

Uma boa fotografia pode ser o “bilhete dourado” para a adopção de um animal. &…