June Hamioff é “uma mulher apaixonada por tartarugas”. Tem sido assim há 30 anos, altura em que a inglesa, agora com 95 anos, conheceu pela primeira vez estes animais, na costa sul da Turquia. Podíamos dizer que este encontro mudou a vida de June, desde aí conhecida como Captain June. Mas, mais do que isso, o encontro mudou o futuro da praia Iztuzu, onde ela então passeava.

Não eram precisas as tartarugas para aquela extensão de areia, que forma uma barreira natural entre o Mar Mediterrâneo e o rio Dalyan, a seduzir a mudar-se para lá, nos anos 1980. Mas os animais tornaram-se os alicerces da casa e da campanha de protecção natural que lá montou. June impediu, em 1987, que um hotel fosse construído na mesma área onde as tartarugas se reproduzem. Desde aí que a praia está sob protecção, escreve a Reuters. Todas as formas de construções estão banidas, bem como iluminação artificial e banhistas na praia, à noite.

Quando Captain June começou a campanha, não havia mais do que 200 ninhos de tartarugas. Três décadas depois, e com um novo centro de resgate, investigação e reabilitação especializado nestes animais (Dekamer), o número estabilizou nos 500: 20 mil tartarugas bebés partem para o mar, todos os anos. Hamioff explica aos visitantes as várias ameaças a que as tartarugas estão sujeitas: as hélices dos barcos, os fios de pesca e o plástico que os animais, que vivem mais de cem anos, confundem com alimento.

 

Leia também

Como é que as “selfies” podem ajudar a proteger uma espécie ameaçada?

Os quokkas são pequenos marsupiais que habitam algumas ilhas do Oeste australiano, em part…